Estudo: Mais de metade da população da Covilhã é hipertensa
DATA
31/07/2018 10:39:59
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Estudo: Mais de metade da população da Covilhã é hipertensa

Um estudo desenvolvido pelo Politécnico de Castelo Branco concluiu que mais de metade da população adulta da Covilhã é hipertensa, sendo ligeiramente superior nos homens do que nas mulheres.

O Programa de Pressão Arterial da Beira Baixa (PPABB), que envolveu 1.045 indivíduos, com idades entre os 18 e os 99 anos, tem objetivo determinar a prevalência de hipertensão arterial e hipotensão ortostática na Região da Beira Baixa.

"O estudo concluiu que a prevalência de hipertensão arterial na população adulta do concelho da Covilhã é de 56,0%, sendo ligeiramente superior no género masculino (58,3%) quando comparada ao género feminino (54,1%)", refere um comunicado do Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB).

O PPABB encontra-se integrado na Unidade de Investigação QRural (Qualidade de Vida no Mundo Rural), unidade recém-criada no IPCB, cuja coordenação está a cargo da docente da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias (ESALD), Patrícia Coelho.

O estudo concluiu que 43,3% da população inquirida apresentava hipertensão arterial não controlada, valores estes que assumem "dimensões preocupantes".

Foi, ainda, observada a prevalência de hipotensão ortostática. De acordo com o estudo, os valores obtidos revelam-se "preocupantes", sendo que a prevalência foi de 10,5%.

"Permite concluir que tanto a hipertensão arterial como a hipotensão ortostática apresentam elevadas prevalências no concelho da Covilhã", lê-se na nota.

Através do estudo foi possível perceber que os fatores de risco mais comuns na população adulta deste concelho são a obesidade e o sedentarismo.

Face aos resultados obtidos, o estudo recomenda a realização de campanhas de prevenção primária de alerta e consciencialização da população.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.