Estudo comprova eficácia de botox no tratamento de dor pélvica crónica
DATA
06/08/2018 14:41:17
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Estudo comprova eficácia de botox no tratamento de dor pélvica crónica

Um estudo desenvolvido pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e pelo Centro Hospitalar São João (CHSJ) comprovou a eficácia do uso de botox no tratamento de pacientes com dor pélvica crónica (DPC).

O coordenador do estudo, Francisco Cruz, explicou que não havia, até à data, confirmação se a injeção de botox na bexiga era de facto eficaz no tratamento desta patologia ou se se tratava de um efeito placebo.

Com o intuito de esclarecer esta questão, os investigadores desenvolveram um ensaio clínico que permitiu avaliar a evolução e os sintomas descritos pelos pacientes após a administração do fármaco.

“Os resultados foram positivos e os pacientes demonstraram uma melhoria significativa face ao grupo de controlo. O uso de botox tem a vantagem de, ao contrário de outros tratamentos, não ter de ser administrado diariamente”, afirmou o urologista.

Segundo Francisco Cruz, a longo prazo, “esta patologia reduz drasticamente a qualidade de vida dos pacientes pois, além de um enorme desconforto, desenvolvem uma maior necessidade de urinar”.

Até agora ainda existem dúvidas acerca das causas da DPC – que pode afetar uma em cada 200 mulheres – o que dificulta a escolha de um tratamento adequado, sendo que frequentemente o tratamento passa pelo uso de analgésicos.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.