OM: Egas Moniz admite resolver situação de internos
DATA
08/08/2018 15:34:41
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



OM: Egas Moniz admite resolver situação de internos

A Ordem dos Médicos (OM) chegou a acordo com o Hospital Egas Moniz sobre a situação de médicos em formação que trabalham sem tutela de um especialista.

“Chegamos a um acordo no sentido de que a situação seja corrigida rapidamente”, afirmou Miguel Guimarães, explicando que “pretende resolver de forma pacífica e célere esta situação e não [avançar com] uma auditoria”.

No entanto, o bastonário não descora a possibilidade de avançar com uma auditoria caso a situação vivida pelos internos não seja resolvida até outubro.

Miguel Guimarães visitou, hoje, o Hospital Egas Moniz, integrado no Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, a fim de se reunir com os médicos internos, a administração, o diretor clínico e o diretor do internato médico. Esta deslocação surge na sequência de alegadas irregularidades no cumprimento dos programas de formação, em algumas especialidades, nomeadamente na Reumatologia, Endocrinologia e Pneumologia.

"Os nossos médicos são desejados em todo o mundo devido à elevada qualidade da formação e a Ordem reage sempre que recebe um alerta de que os programas de formação não estão a ser cumpridos da forma que têm obrigatoriamente de ser e que alguns destes internos, em determinadas circunstâncias, fazem urgência sem tutela de um especialista. Isto para a OM é totalmente inaceitável", frisou o bastonário.

Por outro lado, Miguel Guimarães defendeu que é preciso “respeitar os doentes e oferecer qualidade na especialidade que precisam e os médicos em formação estão a aprender, têm [de ter] a tutela de um especialista”.

“As pessoas que estão a trabalhar no Serviço Nacional de Saúde estão perfeitamente no limite, já ultrapassaram o limite, estão a fazer consultas umas atrás das outras, estão a acelerar os procedimentos, seja no bloco operatório, seja no internamento ou na consulta, e não é possível conseguir dar a mesma resposta com os atuais recursos humanos”, afirmou o responsável dos médicos.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas