Algarve: Postos de saúde de praia atenderam mais de duas mil pessoas
DATA
10/08/2018 10:14:48
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Algarve: Postos de saúde de praia atenderam mais de duas mil pessoas

Em julho, os 31 postos de saúde de praia, localizados no Algarve, atenderam 2.067 pessoas, anunciou a Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve.

Em comunicado, a ARS do Algarve indicou que “destes atendimentos, 1.159 foram para tratamentos e suturas, 244 foram devido a picadas de peixe-aranha e insetos, 394 para medições de pressão arterial, 111 para administrar injeções e 126 para realizar testes de glicemia, tendo sido registados durante este período 33 encaminhamentos para outras unidades de saúde”.

No entanto, estes números foram ligeiramente inferiores aos registados em 2017, no mesmo período [julho], tendo sido registados 2.413 atendimentos nos 32 postos.

De acordo com administração regional, cerca de 68% das pessoas atendidas nestes postos, que funcionam ao abrigo de uma colaboração entre a ARS e a Cruz Vermelha Portuguesa, “não são residentes na Região do Algarve”. Apenas 32%, residiam no distrito de Faro.  

Este ano, os postos de saúde de praia funcionam entre as 10:00 e as 19:00 até dia 16 de setembro, prestando “cuidados de saúde de enfermagem”, respondem a “situações clínicas que possam ser tratadas no local”, funcionam “como ponto de esclarecimento e de triagem” e, “em caso de necessidade, encaminha o utente para uma unidade de saúde mais adequada”.

“Os recursos afetos aos Posto de Saúde de Praia são potenciados através da comunicação por via telefónica entre os enfermeiros dos Posto de Saúde de Praia e o Centro de Orientação de Doentes Urgentes do INEM, permitindo uma integração adequada com o dispositivo de emergência pré-hospitalar”, precisou a ARS do Algarve.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas