Cancro do colo do útero e colorretal: Madeira quer rastrear 100% dos grupos de risco
DATA
23/08/2018 18:18:40
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Cancro do colo do útero e colorretal: Madeira quer rastrear 100% dos grupos de risco

O Governo Regional da Madeira quer rastrear, já no próximo ano, 100% dos grupos de risco dos cancros de colo do útero e colorretal.

A revelação foi feita pelo secretário regional da Saúde, Pedro Ramos, durante uma visita à Unidade Móvel do Rastreio do Cancro da Mama, junto ao Centro de Saúde de Machico, que facultou um diagnóstico gratuito a cerca de 4.151 mulheres.

"O rastreio do colo do útero e do colorretal, onde temos já um rastreio oportunista de cerca de 60% dos casos, será organizado e, estes, e o do cancro da mama e da retinopatia diabética [já cobertos em 100%] irão ficar concentrados no Centro de Rastreio da Região Autónoma da Madeira que será uma realidade a partir de 2019", disse Pedro Ramos.

Anualmente, são detetados na Madeira 100 novos casos de cancro da mama, 80% dos quais com resultados positivos graças à deteção precoce.

Numa primeira fase, o rastreio será dirigido às mulheres residentes nas freguesias de Santo António da Serra e Santa Cruz, seguindo-se Machico, Água de Pena, Caniçal e Porto da Cruz. 

As autoridades de saúde aconselham que o rastreio ao cancro do colo do útero seja feito, de três em três anos, a mulheres entre os 25 e os 60 anos, se já tiverem iniciado a vida sexual.

Já no caso do cancro do colo retal, o rastreio deverá ser realizado, de dois em dois anos, a mulheres e homens entre os 50 e os 70 anos.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas