INEM, SPC e CPR assinam protocolo para criação de Registo Nacional de PCR
DATA
24/08/2018 11:35:16
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




INEM, SPC e CPR assinam protocolo para criação de Registo Nacional de PCR

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), a Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC) e o Conselho Português de Ressuscitação (CPR) assinaram um protocolo de colaboração para a criação de um Registo Nacional de Paragem Cardiorrespiratória (PCR).

De acordo com a notícia avançada pela Newsletter do INEM, através deste registo será possível conhecer melhor a realidade nacional e planear ações futuras, nomeadamente no que diz respeito à disponibilização de acesso à desfibrilhação precoce, um dos elos da Cadeia de Sobrevivência.

A assinatura deste protocolo surge na sequência de uma das conclusões do grupo de trabalho para Requalificação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa que defende a criação de um registo nacional de PCR.

Além da criação de um registo nacional contínuo de PCR aberto a todas as entidades interessadas em contribuir para o mesmo, o grupo de trabalho sugere, ainda, a realização de um registo piloto (tipo snapshot), no qual seriam registados todos os detalhes dos casos de PCR, e a inclusão dos registos nacionais de PCR no registo europeu EuReCa.

"O INEM, pelo seu papel central na resposta à emergência médica pré-hospitalar no território continental, o CPR na qualidade de representante nacional do European Resuscitation Council, e a SPC que tem um interesse óbvio no conhecimento da realidade nacional relacionada com a morte súbita cardiovascular, são três das entidades com interesses convergentes e que deram desta forma um passo importante para melhor caraterizar os casos de PCR em território nacional", refere a notícia avançada pelo INEM.

O protocolo, assinado no início deste mês, cria desta forma as bases para uma colaboração entre as três entidades signatárias para a concretização dos registos propostos.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas