Marinha Grande investe um milhão de euros na remodelação do centro de saúde
DATA
28/08/2018 16:58:53
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Marinha Grande investe um milhão de euros na remodelação do centro de saúde

A Câmara Municipal da Marinha Grande revelou, hoje, que vai investir um milhão de euros na remodelação do centro de saúde do concelho.

Em comunicado enviado às redações, a autarquia liderada por Cidália Ferreira indicou que foi assinado um contrato para a remodelação do Centro de Saúde da Marinha Grande, “o que vai implicar um investimento de cerca de um milhão de euros”.

De acordo com a nota, o objetivo é avançar com a remodelação parcial do atual centro de saúde, ao nível do piso térreo e primeiro andar, numa área de 1.549,45 metros quadrados, para a reconversão necessária à criação de novas unidades funcionais, nomeadamente Unidades de Saúde Familiar e Unidades de Cuidados na Comunidade.

O município esclareceu, ainda, que a remodelação será efetuada com o edifício a funcionar, decorrendo em duas fases. Numa primeira fase será efetuada uma intervenção ao corpo da entrada principal a sul, lado direito, a nível do rés-do-chão e primeiro andar.

Já a segunda fase corresponde à intervenção do corpo principal sul, lado esquerdo, a nível do primeiro andar e restante edifício, no que respeita à implementação das redes de águas e esgotos, rede de incêndios, segurança e climatização.

Desta forma, a prestação de cuidados de saúde não será afetada, sendo que irá continuar a realizar-se numa área disponível para o efeito, através da instalação provisória de profissionais e utentes.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas