Eutanásia: Deputado do PS acredita na despenalização
DATA
03/09/2018 16:18:02
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Eutanásia: Deputado do PS acredita na despenalização

O deputado do PS Pedro Delgado Alves considera que a despenalização da eutanásia irá acontecer “mais cedo ou mais tarde”, defendendo a necessidade de “reforçar a posição maioritária” no próximo quadro parlamentar.

No segundo dia do Fórum Socialismo 2018, que decorreu até domingo em Leiria, um dos debates mais esperados era “Pelo direito à morte assistida”, que contou com a participação do único deputado do PAN, André Silva, do deputado do PS Pedro Delgado Alves e do médico Bruno Maia, do Movimento Cívico para a Despenalização da Morte Assistida.

"As próximas eleições legislativas necessariamente não vão ser sobre este único tema e, portanto, não há aqui um nexo causal imediato, mas é claríssimo para todos que está enraizada na matriz e nos programas de quem os apresentou de que este passo [a despenalização da eutanásia] será dado mais cedo ou mais tarde", disse Pedro Delgado Alves.

Segundo o deputado socialista, “a sociedade civil é um elemento mobilizador fundamental”, sendo preciso “reforçar a posição maioritária no quadro parlamentar que se segue”.

Para Pedro Delgado Alves, “a votação parlamentar renhida”, realizada no passado dia 29 de maio, “foi bem reveladora de que pode não existir ainda um consenso parlamentar materializado numa maioria parlamentar, mas que ele ultrapassa as fronteiras dos partidos”.

"E é revelador já de um debate que a sociedade civil teve e que está a contaminar os vários partidos", considerou, dando o exemplo do PSD, em que "muitos dos seus deputados e dos seus dirigentes publicamente tomaram posição" a favor da eutanásia.

Recorde-se que todos os projetos-lei para a despenalização da eutanásia, apresentados pelo PAN, BE, PS e PEV, foram rejeitados no passado mês de maio, na Assembleia da República.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas