Governo dos Açores contabiliza necessidade de mais enfermeiros
DATA
10/09/2018 11:00:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Governo dos Açores contabiliza necessidade de mais enfermeiros

O secretário regional da Saúde dos Açores, revelou que, por cada sete enfermeiros no Serviço Regional de Saúde que transitam de 40 para 35 horas semanais, é necessário mais um profissional.

“Para este último trimestre, os hospitais estão a proceder à contabilidade da passagem das 40 para as 35 horas para apurar a necessidade de recrutamento de novos enfermeiros porque, à partida, por cada sete enfermeiros que transitem é necessário um enfermeiro”, disse Rui Luís.

Em declarações aos jornalistas, após a vinculação profissional de cerca de 30 enfermeiros, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, Rui Luís considerou que vai ser possível recrutar profissionais de enfermagem “ainda este ano”, de forma a que todos aqueles que possuem contrato individual de trabalho possam transitar para as 35 horas semanais.

Recorde-se que, no passado dia 9 de agosto, o Governo dos Açores e o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses chegaram a acordo para equiparação dos profissionais com contrato individual de trabalho, que irão passar a cumprir 35 horas semanais em alternativa às 40.

O titular regional da pasta da Saúde considerou, na altura, que foi dado um importante passo em matéria de equiparação de regimes entre enfermeiros vinculados, através de contrato individual de trabalho e os seus colegas com vínculo de emprego público.

Este acordo harmoniza os níveis e posições remuneratórias, a regulação de procedimentos concursais, a possibilidade de constituição de reservas de recrutamento pelos hospitais e a equiparação em matéria de avaliação de desempenho, além da passagem das 40 para as 35 horas semanais dos enfermeiros com contrato individual de trabalho, a partir de 1 de janeiro de 2019.

Rui Luís adiantou, ainda, que “estão a decorrer procedimentos” para a admissão de 70 profissionais, havendo ainda que acrescer outros profissionais para “acautelar a questão das 35 horas”.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas