Jornal Médico Grande Público

Infarmed: Não faltarão medicamentos para doença de Parkinson
DATA
17/09/2018 12:58:57
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Infarmed: Não faltarão medicamentos para doença de Parkinson

A autoridade do medicamento garantiu que não haverá faltas de medicação para a doença de Parkinson em Portugal. No entanto, apelou aos doentes e aos médicos para que tenham moderação na compra e na prescrição.

O conselho diretivo do Infarmed reuniu-se com laboratórios, sociedades científicas e representantes de doentes com o objetivo de avaliar alternativas terapêuticas ao medicamento Sinemet, que está em rutura de stock.

Em conferência de imprensa após o final da reunião, a presidente do Infarmed, Maria do Céu Machado, mostrou-se convicta de que não vai haver falhas no acesso à medicação, lembrando que se trata de um medicamento do qual depende muitas vezes a vida dos doentes.

No entanto, o Infarmed apelou aos doentes para que não façam “uma corrida às farmácias”, para criarem “stocks individuais” deste medicamento, lançando também aos médicos um apelo para que não haja prescrição exagerada.

“Podemos comprometer-nos que não vai falhar o medicamento a nenhum dos doentes”, afirmou Maria do Céu Machado, indicando que o assunto está a ser tratado com “enorme preocupação” pela Autoridade do Medicamento.

A presidente do Infarmed lembrou que “a interrupção do tratamento pode ser ainda mais grave do que a própria doença”, garantindo assim que não haverá falhas de tratamento em Portugal.

A rutura por parte da empresa que produz o Sinemet está relacionada com um “problema de fabrico”, que a própria empresa não explicou ao Infarmed, e que afeta 45 países, incluindo Estados Unidos e Canadá.

Quanto à dimensão da rutura do medicamento, a presidente do Infarmed estimou que antes do final do primeiro trimestre do próximo ano “o problema poderá não estar resolvido”.

Atualmente, há dois medicamentos comercializados em Portugal para o Parkinson, sendo que o Sinemet atingia até agora 80% da quota do mercado, o que corresponde a mais de 600 mil embalagens por ano.

Segundo Maria do Céu Machado, um dos laboratórios que já comercializa um medicamento em Portugal, mas com uma pequena quota de mercado, irá fazer “um esforço para aumentar essa quota”, tentando pelo menos triplicá-la.

Duas outras empresas farmacêuticas têm um medicamento semelhante registado, mas não comercializado em Portugal, que é vendido noutros países europeus. Estes laboratórios comprometeram-se a “fazer um esforço” para comercializar em Portugal o medicamento.

Saúde Pública

news events box

Mais lidas