Campanha da FPC pede “promessas” por um coração saudável
DATA
25/09/2018 16:18:52
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Campanha da FPC pede “promessas” por um coração saudável

No âmbito do Dia Mundial do Coração, que se assinala a 29 de setembro, a Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) apela aos portugueses para que ajudem a reduzir o número de mortes por doença cardiovascular.

Sob o mote “O Meu Coração, o Seu Coração – Faça a sua Promessa”, a campanha da FPC pretende reforçar a importância da adoção de hábitos de vida saudáveis.

Todos os anos, mais de 17,5 milhões de pessoa morrem prematuramente de doenças cardiovasculares, sendo a principal causa de morte e invalidez em todo o mundo. Estima-se que, em 2030, este número ascende aos 23 milhões.

Em Portugal, cerca de 35 mil pessoas morrem devido a este grupo de patologias e mais de metade da população, entre os 18 e os 79 anos, apresenta pelo menos dois fatores de risco cardiovascular.

“Os números referentes às doenças cardíacas em Portugal e no mundo são assustadores, mas este cenário pode ser alterado se cada um de nós fizer pequenas mudanças no seu dia-a-dia. Este é o grande desafio da Fundação Portuguesa de Cardiologia para a população”, frisou o presidente da FPC, Miguel Carrageta.

Cozinhar e comer de forma equilibrada, praticar mais atividade física e não fumar são apenas algumas das promessas que a FPC deseja ver cumpridas com o lançamento desta campanha.

A FPC irá, ainda, promover diversas iniciativas em todo o país, nomeadamente rastreios cardiovasculares, eventos desportivos e workshops de alimentação saudável.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas