Angola: Malária representa 35.5% do total de mortes infantis no Cuanza Sul
DATA
03/10/2018 11:58:39
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Angola: Malária representa 35.5% do total de mortes infantis no Cuanza Sul

A malária é a causa de 35.5% das mortes anuais em crianças entre os zero e os cinco anos, na província do Cuanza Sul, em Angola, devido à insuficiente cobertura sanitária, fraca manutenção dos hospitais, entre outros fatores.

De acordo com os dados avançados pelo governador da província do Cuanza Sul, Eusébio de Brito Teixeira, que participou, esta terça-feira, num encontro metodológico do setor da Saúde.

O governante angolano referiu que na base destes índices estão os problemas do sistema de saúde, a falta dos recursos humanos e técnicos de saúde, a falta de pessoal nas áreas rurais e periurbanas, debilidades no sistema de gestão, incluindo no de informação de logística e de comunicação.

Eusébio de Brito Teixeira, citado pela agência noticiosa angolana, Angop, apontou ainda a insuficiência de recursos e inadequação de modelos de financiamento e o reduzido acesso á água potável, saneamento e energia, aliada à fraca cobertura vacinal como os principais problemas no setor da saúde loca.

Relativamente à vacinação, o governador do Cuanza Sul apelou aos profissionais de saúde uma maior atenção para este aspeto, considerada a melhor forma de prevenção de doenças.

Note-se que a malária é a principal causa de mortes e de absentismo laboral e escolar em Angola, bem como de internamentos nas unidades hospitalares do país.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas