SPEO pede comparticipação de medicamentos para a obesidade
DATA
10/10/2018 15:34:09
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


SPEO pede comparticipação de medicamentos para a obesidade

A Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO) quer que os medicamentos contra o excesso de peso sejam comparticipados, de forma a aumentar o acesso a terapias capazes de combater o problema desde o início.

A propósito do Dia Mundial da Obesidade, que se assinala amanhã, a SPEO defende que é preciso “acabar com o estigma da obesidade” e começar a tratar a doença numa fase precoce.

“É urgente que a terapêutica farmacológica seja comparticipada e, assim, acessível a todos”, bem como travar o estigma relacionado com a obesidade, que “só contribui para o aumento dos níveis de obesidade e para o atraso e insucesso do tratamento”, frisou a presidente da SPEO, Paula Freitas.

Desta forma, a SPEO considera que seria possível poupar cerca de 300 mil euros em cuidados de saúde e complicações relacionadas com a doença.

Amanhã será realizado um debate, intitulado “Ambiente Obesogénico”, na reitoria da Universidade Nova de Lisboa, onde políticos, médicos, nutricionistas, juristas e representantes de outros setores vão abordar vários assuntos relacionados com esta patologia.

Note-se que Portugal é um dos países “com maior taxa de obesidade na União Europeia”, num mundo em que a obesidade se tornou uma pandemia, com mais de 600 milhões de obesos.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas