Jornal Médico Grande Público

Estudo: Alimentação dos pais influencia hábitos alimentares dos filhos
DATA
16/10/2018 17:08:08
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Estudo: Alimentação dos pais influencia hábitos alimentares dos filhos

A propósito do Dia Mundial da Alimentação, que se assinala hoje, um estudo do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) concluiu que alimentação dos pais influência a aquisição de hábitos alimentares dos filhos.

Em declarações à agência Lusa, a autora do estudo e investigadora da Unidade de Investigação em Epidemiologia do ISPUP, Sofia Vilela, explicou que o estudo, desenvolvido desde 2014, evidenciou “o papel fundamental” dos pais como “atores principais” na educação alimentar e criação de hábitos nas crianças.

“Os pais são os atores principais nesta questão e nem sempre percecionam que os laços que estabelecem e o que cedo ensinam a estas crianças se vai manter ao longo da vida. É importante que os pais entendam que o desenvolvimento da criança está relacionado com uma maior e melhor nutrição ao longo do dia”, afirmou a investigadora.

O estudo, desenvolvido no âmbito do Programa Doutoral em Saúde Pública da Universidade do Porto (UP), focou-se na evolução dos hábitos alimentares de cerca de cinco mil crianças, com quatro e sete anos, da cidade do Porto. O objetivo passou por identificar “se os hábitos se mantinham ou alteravam ao longo da infância”.

Foram avaliadas questões como, por exemplo, a qualidade alimentar, o consumo de alimentos energéticos, o número de refeições, a variedade alimentar e os fatores que influenciam a aquisição de hábitos alimentares.

 “Concluímos que as crianças que são expostas a uma maior variedade de alimentos, como diferentes tipos de fruta, vegetais, carnes e peixes, têm uma melhor relação com a comida, visto que têm maior prazer e se tornam menos seletivas”, destacou Sofia Vilela.

Esta investigação, que incluiu também a participação de cerca de 500 crianças num inquérito alimentar nacional e de atividade física (IAN-AF), concluiu que as crianças que praticam “menos de seis refeições por dia apresentam um maior risco de vir a ter excesso de peso e obesidade”.

“Muitas das vezes os pais não percecionam que a criança tem excesso de peso e isso resulta na conservação dos mesmos hábitos alimentares. Esta é uma questão que merece a atenção dos pais, porque tem impacto quer na alimentação das crianças, quer no risco de poderem vir a ter excesso de peso”, acrescentou a autora do estudo.

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas