Ébola: OMS aborda ameaça internacional da epidemia na RDCongo
DATA
17/10/2018 10:27:15
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Ébola: OMS aborda ameaça internacional da epidemia na RDCongo

O Comité de Emergência da Organização Mundial de Saúde (OMS) reúne-se hoje com caráter de urgência, em Genebra, para abordar a epidemia de ébola na República Democrática do Congo.

Convocada pelo diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, esta reunião tem por objetivo perceber se o novo surto, declarado dia 1 de agosto, em Mangina, na província de Nord-Kivu, na zona este da RDCongo, representa "uma emergência de saúde pública de amplitude internacional".

O epicentro da epidemia transferiu-se, entretanto para Beni, baluarte do grupo armado ADF (Forças Democráticas Aliadas), que multiplicou os ataques contra civis, complicando a resposta sanitária.

De acordo com os últimos dados da OMS, o total de casos sinalizados subiu para 211 (176 confirmados e 35 prováveis) e o registo de mortos para 135. No passado sábado, as autoridades congolesas disseram que estão a enfrentar agora uma "segunda onda" da epidemia.

"Esta segunda onda é o resultado da resistência da comunidade à resposta, a existência de cidades mortas e insegurança e a fraca colaboração de práticas tradicionais em atividades de resposta", disse o ministro da Saúde da RDCongo,  Oly Ilunga, durante uma conferência de imprensa.

O responsável notou que, pela primeira vez, um elemento da missão das Nações Unidas no Congo (Monusco) foi contaminado com o vírus do ébola e observou que mais de 16.200 pessoas foram vacinadas.

Recorde-se que a pior epidemia de ébola atingiu a África Ocidental entre o final de 2013 e 2016, causando mais de 11.300 mortos em 29.000 casos sinalizados, mais de 99% na Guiné, Libéria, Nigéria e Serra Leoa.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas