Região Norte realizou 46% cirurgias à coluna entre 2011 e 2016
DATA
17/10/2018 10:51:54
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Região Norte realizou 46% cirurgias à coluna entre 2011 e 2016

A região Norte realizou, entre 2011 e 2016, 46% das cirurgias à coluna nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS), enquanto o Alentejo e o Algarve apenas realizaram 2% das operações.

As conclusões são de um estudo, promovido por sociedades científicas, que foi agora apresentado no âmbito do Dia Mundial da Coluna. De acordo com o presidente da Sociedade Portuguesa de Patologia da Coluna Vertebral, Manuel Tavares de Matos, este estudo identificou “fortes assimetrias regionais”.

Segundo os dados, a região Norte realizou 46% de todos os procedimentos cirúrgicos feitos entre 2011 e 2016, período em que os hospitais públicos trataram mais de 42 mil doentes. Estes resultados podem espelham um maior número de acidentes de trabalho nesta região do país, onde o trabalho secundário é uma causa frequente de hérnias discais agudas.

Já a região de Lisboa e Vale do Tejo realizou 37% das cirurgias e a região Centro 15%. Por outro lado, no Alentejo e no Algarve foram realizadas apenas 2% das cirurgias do SNS.

“São evidentes as assimetrias regionais, que podem em parte ser explicadas com as dificuldades da medicina geral e familiar em referenciar as patologias da coluna”, disse Manuel Tavares de Matos.

A Sociedade Portuguesa de Neurocirurgia, uma das promotoras do estudo, considera que faltam linhas de orientação sobre cirurgia de coluna, que definam a referenciação de doentes e que estejam alinhadas com as necessidades da população.

O estudo concluiu, ainda, que mais de metade dos doentes que foram operados à coluna encontravam-se em idade ativa e 54% das cirurgias foram realizadas em mulheres.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas