Interpol apreende mais de 500 toneladas de medicamentos
DATA
23/10/2018 17:17:12
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Interpol apreende mais de 500 toneladas de medicamentos

Mais de 500 toneladas de medicamentos foram apreendidas numa megaoperação que envolveu autoridades policiais, alfandegárias e de saúde de 116 países, incluindo Portugal.

Em comunicado, a Interpol refere que, no âmbito da operação internacional “Pangea XI”, foram detidas 859 pessoas e apreendidos cerca de 12,1 milhões de euros em medicamentos ilegais e potencialmente perigosos.

Entre os fármacos apreendidos estão falsos medicamentos contra o cancro e analgésicos contrafeitos, bem como seringas sem qualidade. Note-se que a investigação focou-se em serviços de entrega que eram usados por redes criminosas organizadas que operavam através da Internet, em redes sociais e sites de compras online.

Quase um milhão de embalagens foram inspecionadas na semana da operação, de uma vasta gama de fármacos: anti-inflamatórios, analgésicos, hipnóticos e sedativos, comprimidos para a disfunção erétil, esteroides anabolizantes, comprimidos para emagrecimento, Parkinson e diabetes e até para o tratamento de VIH/Sida.

Foram, ainda, verificados mais de 110 mil dispositivos médicos, como seringas, lentes de contacto, aparelhos auditivos e instrumentos cirúrgicos.

Em Portugal foram controladas 3.881 encomendas, das quais 130 foram apreendidas durante a semana em que decorreu a operação, 9 a 16 de outubro, que contou com a participação da Autoridade Tributária e Aduaneira e do Infarmed.

De acordo com a Interpol, a apreensão de encomendas impediu a entrada de 8.886 unidades de medicamentos ilegais em Portugal, com um valor estimado superior a 23 mil euros.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.