Sarampo: Cobertura vacinal diminuiu em 12 países da UE desde 2010
DATA
24/10/2018 12:50:30
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Sarampo: Cobertura vacinal diminuiu em 12 países da UE desde 2010

A cobertura vacinal do sarampo diminuiu em 12 dos 28 estados-membros da União Europeia (UE) desde 2010, concluiu um estudo da Comissão Europeia.

O relatório “O estudo da confiança nas vacinas 2018”, publicado esta terça-feira, sublinha que os recentes surtos de sarampo na Europa foram “os mais elevados em sete anos”.

Isto pode ser explicado pelo facto da cobertura da primeira dose de vacina do sarampo e rubéola ter vindo a decair desde 2010 em 12 países da UE: Bulgária, Croácia, Estónia, Eslováquia, Eslovénia, Finlândia, Grécia, Holanda, Lituânia, Polónia, Roménia e República Checa.

Em alguns destes países, a confiança na segurança da vacina do sarampo atinge os valores mais baixos da UE, como no caso da Suécia, Bulgária e Letónia, onde menos de 70% da população afirma confiar na vacina do sarampo e rubéola.

Em termos globais, menos de 80% da população europeia considera a vacina do sarampo segura, uma percentagem que é ainda mais baixa em relação à vacina da gripe, com menos de 70% dos europeus a encará-la como segura.

O estudo da Comissão Europeia baseou-se em inquéritos online e telefónicos, realizados a cerca de 29 mil pessoas dos 28 os estados-membros, que questionaram a confiança nas vacinas, nomeadamente na do sarampo.

Note-se que Portugal é o país da UE com a maior percentagem de população a confiar nas vacinas, considerando-as seguras, efetivas e importantes para as crianças.

A mudança necessária
Editorial | Jornal Médico
A mudança necessária

Os últimos meses foram vividos por todos nós num contexto absolutamente anormal e inusitado.

Atravessamos tempos difíceis, onde a nossa resistência é colocada à prova em cada dia, realidade que é ainda mais vincada no caso dos médicos e restantes profissionais de saúde. Neste âmbito, os médicos de família merecem certamente uma palavra de especial apreço e reconhecimento, dado o papel absolutamente preponderante que têm vindo a desempenhar no combate à pandemia Covid-19: a esmagadora maioria dos doentes e casos suspeitos está connosco e é seguida por nós.

Mais lidas