Estudo: Maioria dos alunos do ensino superior tem um colega com doença mental
DATA
25/10/2018 10:49:39
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Estudo: Maioria dos alunos do ensino superior tem um colega com doença mental

Mais de metade dos alunos do ensino superior conhece alguém a quem foi diagnosticada uma doença mental enquanto estudava, revela o inquérito “Estigma em Saúde Mental”.

Este inquérito, que avaliou as respostas de mais de mil estudantes de 154 cursos de universidades e politécnicos portugueses, concluiu que 51,1% dos alunos disseram que têm colegas ou amigos a quem foi diagnosticada uma doença mental.

Os alunos de doutoramento e mestrado são os que mais lidam com esta realidade, com 66% a conhecer alguém com um problema mental. Já entre os estudantes que estão a tirar uma licenciatura ou um mestrado, mais de metade não tem nenhum amigo ou colega nesta situação (55%).

Neste inquérito, que teve por base 1.092 questionários validados, cerca de 16,8% dos inquiridos assumiram que foram diagnosticados com uma doença mental durante a faculdade, sendo que aqui há uma maior prevalência entre as mulheres (17,6% contra 11,3% dos homens).

De acordo com o estudo da Angelini Farmacêutica, apenas 22,9% das pessoas diagnosticadas estão a ter acompanhamento de um psicólogo ou psiquiatra,  coordenado pelo psiquiatria Diogo Guerreiro. 

Note-se, ainda, que praticamente todos os estudantes (97,9%) consideram que devem ser prestados melhores cuidados os doentes mentais. Três em cada quatro acreditam que faltam serviços para estes doentes, com destaque em Vila Real, onde todos os alunos apontaram esse probelma, seguindo-se os distritos de Évora e Faro.

Os estudantes apontam, ainda, que o estigma e preconceito em relação às doenças mentais pode retardar o diagnóstico e tratamento de potenciais doentes.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas