OM assina acordo de cooperação com UEMS (atualizada)
DATA
26/10/2018 14:47:43
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


OM assina acordo de cooperação com UEMS (atualizada)

“Não queremos apenas ter bons médicos, queremos ter os melhores médicos da Europa”, afirmou hoje o bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, na assinatura de um acordo de cooperação entre a OM e a União Europeia dos Médicos Especialistas (UEMS), ao abrigo do qual a instituição portuguesa passará a intervir como entidade de acreditação de eventos em Portugal num sistema integrado do Conselho Europeu de Acreditação para Educação Médica Contínua (EACCME).

Miguel Guimarães considera que “este é um momento histórico em que a OM tem, mais do que nunca, um papel ativo e preponderante na defesa de uma formação médica contínua de elevada qualidade”.

“Esta será uma forma de continuar a potenciar a elevação da qualidade da formação médica contínua, pois os eventos terão que cumprir requisitos definidos em conjunto pela OM e a UEMS que serão aplicados com transparência e rigor”, o que representa a médio prazo, “uma forma de contribuir também para a segurança dos doentes”, concluiu o bastonário.

Note-se que a UEMS é a mais antiga organização médica europeia, com 60 anos de existência, congregando 37 países, o que se traduz em cerca de 1,6 milhões de médicos especialistas. Em janeiro de 2000, estabeleceu o EACCME com o objetivo de incentivar altos padrões no desenvolvimento, fornecimento e harmonização da educação médica contínua e desenvolvimento profissional contínuo.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas