Gordura em excesso incapacita células “exterminadoras” de tumores
DATA
13/11/2018 11:16:41
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Gordura em excesso incapacita células “exterminadoras” de tumores

O excesso de gordura no organismo inutiliza as células do sistema imunitário que são capazes de atacar tumores.

A conclusão é de um estudo publicado ontem, em que um grupo de investigadores liderado pela imunologista Lydia Lynch, da Trinity College de Dublin estabelece uma ligação entre obesidade e cancro, concluindo que os sistemas de vigilância imunitária do organismo humano, que contém células conhecidas como "exterminadoras naturais", não conseguem funcionar quando há demasiada gordura.

Além deste diagnóstico, o estudo avança potenciais tratamentos para reprogramar essas células e reiniciá-las, depois de identificar o efeito que a gordura tem no seu metabolismo e que as impede de atuar.

Mais de 1,9 mil milhões de adultos sofre de peso a mais ou obesidade, condição que está na génese de quase metade de determinados tipos de cancro.

"Os nossos resultados sugerem que a reprogramação metabólica das células NK ["Natural Killers", em inglês] podem reiniciar a sua atividade anti-cancro e melhorar os resultados dos tratamentos, afirmou Lynch a propósito da investigação publicada no boletim científico Nature Immunology.

Os cientistas descobriram que o mecanismo molecular das NK fica congestionado com gordura em excesso, resultando num processo em que as células conseguem reconhecer tumores, mas ficam incapazes de os destruir.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas