Jornal Médico Grande Público

Mais de metade dos idosos já se vacinou contra a gripe
DATA
21/11/2018 10:19:12
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Mais de metade dos idosos já se vacinou contra a gripe

Mais de metade dos idosos já se vacinou contra a gripe, de acordo com os dados do “vacinómetro”, um projeto lançado em 2009 que permite monitorizar em tempo real a taxa de cobertura vacinal em grupos prioritários recomendados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Nestes grupos, a taxa de vacinação situa-se nos 40%, segundo os últimos dados do “vacinómetro”, que reportam a terça-feira, dia 20 de novembro.

O grupo de pessoas com mais de 65 anos é o que regista uma cobertura vacinal mais elevada, com 52,9% das pessoas vacinadas, seguindo-se o grupo dos doentes crónicos, com 40,7% das pessoas já vacinadas nesta época gripal. Já os profissionais de saúde apresentam uma taxa de vacinação que se fica pelos 38%.

Recorde-se que a DGS também recomenda esta vacina a pessoas entre os 60 e os 64 anos, sendo que, neste caso, a taxa de vacinação está nos 23%.

Outra das conclusões diz respeito à diferença entre os sexos: as mulheres vacinaram-se mais do que os homens, com taxas, respetivamente, de 40% e de 28%, entre a população analisada, que inclui os grupos prioritários para a vacinação.

De acordo com o “vacinómetro”, menos de 10% da população estudada vacinou-se este ano, pela primeira vez, contra a gripe. Entre os que ainda não se vacinaram, quase sete em cada dez diz que não tenciona vacinar-se.

Entre os não vacinados, mais de 46% respondeu que não o fez por não ser um hábito, havendo também quase 30% a indicar ainda não ter tido oportunidade para o fazer.

Note-se que a vacina da gripe é gratuita para as pessoas com mais de 65 naos e pode ser levada, sem receita médica, nos centros de saúde. A vacina estende-se, ainda, a outros grupos, como pessoas com doença pulmonar obstrutiva crónica.

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas

Has no content to show!