Optometristas exigem regulamentação da profissão
DATA
06/12/2018 17:55:51
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Optometristas exigem regulamentação da profissão

A Associação de Profissionais Licenciados de Optometria (APLO) vai organizar uma manifestação junto do Ministério da Saúde já no próximo dia 12 de dezembro.

A manifestação surge em protesto contra a falta de regulamentação da profissão e contra as pressões para que sejam excluídos do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Assim sendo, a concentração, marcada para as 12:00, decorre no âmbito do Dia Mundial do Acesso Universal aos Cuidados de Saúde, com o objetivo de assinalar a importância dos optometristas enquanto prestadores de cuidados primários da saúde visual.

“Após vários anos de debate parlamentar, inúmeras audiências e esclarecimentos com diferentes deputados, acreditamos que não podemos continuar a explicar, no Parlamento, os benefícios para os utentes da regulamentação e integração de optometristas no SNS. Chegou a altura do Governo se responsabilizar, e muito especificamente, o Ministério da Saúde, pelas limitações no acesso a cuidados de saúde visual”, refere o presidente da APLO, Raúl Sousa.

A APLO considera que a integração de optometristas no SNS será uma forma de ajudar a combater o problema crónico na lista de espera de Oftalmologia, melhorando o acesso de todos os portugueses aos cuidados necessários para a saúde da visão.

Note-se que esta solução é também defendida pela Organização Mundial de Saúde e pela Agência Internacional para a Prevenção da Cegueira.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas