Jornal Médico Grande Público

DGS: Privados realizam mais do dobro das cesarianas do que os hospitais públicos
DATA
10/12/2018 11:28:37
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



DGS: Privados realizam mais do dobro das cesarianas do que os hospitais públicos

A taxa de cesarianas realizada em hospitais privados é mais do dobro do que a registada nos hospitais públicos, sendo necessária uma reflexão sobre esta “assimetria”, alerta a Direção-Geral da Saúde (DGS).

No relatório “Saúde Infantil e Juvenil – Portugal 2018”, a DGS aponta para uma ligeira redução da proporção global de partos por cesariana, mas ainda assim que colocam o país acima do recomendado pela Organização Mundial da Saúde.

Portugal passou de uma taxa de 35,6% de cesarianas em 2013 para 33% em 2016. Contudo, nos hospitais públicos a taxa de cesarianas está abaixo dos 30%, situando-se nos 27,6% em 2016. Note-se que esta taxa nos hospitais públicos tem vindo a reduzir ligeiramente de 2013 a 2016.

Já nos hospitais privados a taxa de cesarianas era de 65,5% em 2016, ano em que as unidades privadas realizaram quase 12.500 dos mais de 85 mil partos em Portugal.

“Apesar de os partos por cesariana terem registado uma tendência decrescente, a percentagem de cesarianas é ainda elevada e importa referir que é significativamente mais elevada nas maternidades privadas, constatando-se espaço para melhoria e necessidade de reflexão acerca da referida assimetria”, conclui a DGS.

O documento, divulgado no site da DGS, recorda que “as cesarianas clinicamente desnecessárias são motivo de preocupação médica e económica”.

O presente relatório debruça-se, ainda, sobre o aleitamento materno, registando tendência de melhorias quanto à amamentação exclusiva aos seis meses de vida do bebé.

Contudo, a DGS reconhece que é necessária “especial atenção” para garantir “sustentabilidade desta tendência de melhoria”.

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas