SPH reúne especialistas para debater diagnóstico e tratamento da hipertensão

O 13.º Congresso Português de Hipertensão e Risco Cardiovascular Global (RCVG), organizado pela Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH) vai reunir especialistas da área da Saúde nacionais e internacionais, de 7 a 10 de fevereiro, no Hotel Tivoli Marina Vilamoura, no Algarve.

“A hipertensão continua a ser o maior fator de risco para morte cardiovascular em todo o mundo” afirma o presidente da comissão organizadora do evento e atual diretor do Serviço de Medicina Interna do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, Vítor Paixão Dias.

Devido ao atual panorama da doença, Vítor Paixão Dias considera que é “de extrema importância a realização de um congresso anual que reúna a melhor experiência científica, nacional e internacional, na procura do maior e melhor conhecimento sobre a Hipertensão e o RCVG”.

De acordo com o presidente da SPH, Carvalho Rodrigues, “trata-se, uma vez mais, de colocar no terreno um evento que há muito extravasou a dimensão intramuros, sendo hoje um congresso de dimensão internacional amplamente conhecido e reconhecido”.

Carvalho Rodrigues garante que “o programa deste ano é bastante abrangente centrando-se muito na abordagem de novos paradigmas e perspetivas futuras quer do diagnóstico como da terapêutica da Hipertensão e do RCVG”.

Note-se que, ao longo dos quatro dias, a comissão organizadora espera receber mais de 800 especialistas em Vilamoura. O objetivo passa pela partilha de conhecimento científico e experiência clínica nas mais diversas especialidades que diariamente lidam com a hipertensão e o RCVG, nomeadamente a Endocrinologia, Medicina Geral e Familiar, Medicina Interna e Cardiologia.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas