Ordem dos Enfermeiros abandona Convenção Nacional de Saúde
DATA
11/12/2018 09:48:48
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Ordem dos Enfermeiros abandona Convenção Nacional de Saúde

A Ordem dos Enfermeiros (OE) decidiu abandonar a Convenção Nacional de Saúde (CNS) por considerar que o seu propósito já foi cumprido e que agora é tempo de agir.

Em comunicado, a OE refere que o diagnóstico sobre o Serviço Nacional de Saúde “está feito” e que têm sido apresentadas “inúmeras propostas ao Governo e ao poder político”.

Recorde-se que a CNS, constituída por dezenas de entidades, foi criada este ano e promoveu uma conferência que pretendeu estabelecer uma agenda para o setor da Saúde na próxima década. As conclusões serão entregues esta semana ao Presidente da República.

“Neste momento, consideramos a situação do SNS demasiado grave, nomeadamente a greve cirúrgica dos enfermeiros, para continuarmos em iniciativas que denominamos de ‘Portugal sentado’. A hora é mais de agir porque a reflexão está feita. Não é altura de continuarmos preocupados em encontrar altos comissários que digam junto do senhor Presidente da República o que estamos todos fartos de repetir”, lê-se na nota explicativa, citada pela agência Lusa.

A OE considera que “a iniciativa de indicar um alto comissário para a convenção, quando já existe um chairman e um porta-voz, é continuar a partidarizar uma discussão que tem de ser livre e fora da caixa”.

De acordo com a notícia avançada pelo Público, uma delegação constituída por bastonários da área da saúde, o alto-comissário e o presidente da comissão organizadora da Convenção Nacional da Saúde - Manuel Pizarro e Eurico Castro Alves, respetivamente - vai reunir-se no início desta semana com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Contudo, a OE não vai estar presente nem representada nesta audiência, uma vez que pediu para ser retirada da iniciativa.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas