UE e Timor-Leste assinam acordo para combater malnutrição
DATA
17/12/2018 10:14:21
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


UE e Timor-Leste assinam acordo para combater malnutrição

A União Europeia (UE) e Timor-Leste assinaram dois acordos de financiamento com um valor total de cerca de 18 milhões de euro destinados, sobretudo, a combater a malnutrição no país.

Os dois acordos foram assinados numa cerimónia em Díli pelo ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação timorense, Dionísio Babo Soares, e pelo embaixador da UE em Díli, Alexandre Leitão.

Quinze milhões de euros serão aplicados no programa PINLT (Parceira para Melhorar a Nutrição em Timor-Leste), cujo objetivo é apoiar “ações destinadas a reduzir a incidência da malnutrição nas mulheres grávidas e lactantes, nas adolescentes e nas crianças com menos de cinco anos de idade”. De acordo com uma nota da UE, será dada uma especial atenção “aos primeiros mil dias de vida das crianças”.

O acordo “Facilidade de Apoio à Cooperação”, assinado hoje, pretende “melhorar a capacidade do Estado timorense para participar ativamente na parceria de cooperação com a UE, em particular na gestão dos montantes disponibilizados através do Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED)”.

Dionísio Babo considerou essencial esta ação "imediata e obrigatória" para responder "à realidade preocupante" de que uma fatia significativa da população timorense continua a enfrentar.

Segundo o governante, "50% das crianças sofrem de nanismo, uma das maiores taxas da Ásia", o que "é um grande desafio e que exige ação obrigatória", acrescentou, saudando o apoio da UE a Timor-Leste que se tem pautado por uma "parceria consolidada" com "respostas efetivas às necessidades" do país.

A iniciativa "atuará num setor estratégico fundamental para o desenvolvimento nacional, incidindo sobre a segurança alimentar e para combater os elevados índices de malnutrição", sublinhou.

O PINTL tem por objetivo contribuir para a melhoria da nutrição e das condições de vida de 500 mil mulheres em idade reprodutiva, 28 mil mulheres grávidas e 120 mil crianças menores de cinco anos.

Através do FED estão a ser executados programas de cooperação europeia em Timor-Leste no valor de cerca de 130 milhões de dólares.

"Num país jovem como Timor-Leste, não basta colocar dinheiro à disposição do Estado, é preciso também ajudar esse Estado a ganhar a capacidade de gerir o dinheiro com rigor e eficácia", disse Alexandre Leitão.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas