CHMT inicia programa de hospitalização domiciliária
DATA
20/12/2018 11:12:18
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


CHMT inicia programa de hospitalização domiciliária

O Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) iniciou um programa de hospitalização domiciliária na sua área de abrangência, com cuidados de saúde “mais humanizados” e em que os doentes poderão ser assistidos nas suas casas.

Em comunicado, o CHMT dá conta que o programa de hospitalização domiciliária teve início com um doente da cidade de Abrantes e com uma doente de Belver. Ambos “passarão a receber em suas casas a prestação de cuidados de que necessitam”.

Segundo o presidente do conselho de administração do CHMT, Carlos Andrade, este programa “representa uma nova fase de prestação de cuidados de saúde cada vez mais humanizados, no sentido em que os doentes poderão ser assistidos nos seus domicílios, procurando, assim, que o episódio de internamento domiciliário, que se efetiva dentro da casa do próprio doente, implique o menos possível com a sua dinâmica familiar e com o seu conforto”.

De acordo com o CHMT, a equipa de hospitalização domiciliária é multidisciplinar, sendo composta por médicos de Medicina Interna, enfermeiros especializados em Enfermagem de Reabilitação e assistente sociais.

Em declarações à agência Lusa, a diretora do Serviço de Medicina Interna do CHMT, Fátima Pimenta, elogiou as “mais-valias” do programa, lembrando que o Hospital Garcia da Orta foi o primeiro a concretizar esta iniciativa em Portugal em 2015.

"O centro vai ser aqui, em Abrantes, porque é onde está a urgência médico-cirúrgica", disse a responsável, dando o exemplo do País Basco (Espanha), que atualmente tem 400 camas de internamento domiciliário.

"Ou seja, têm um hospital em casa. Começaram em 1980. É claro que têm de ser doentes orientados, que tenham cuidador, que tenham saneamento básico, essas coisas todas, mas acho que vai ser muito bom, porque as pessoas estão doentes, podem estar em casa e o médico vai lá", destacou Fátima Pimenta. 

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas