PR lamenta morte de cardiologista Ricardo Seabra Gomes
DATA
26/12/2018 08:56:43
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




PR lamenta morte de cardiologista Ricardo Seabra Gomes

O Presidente da República (PR) enviou as suas condolências à família do cardiologista e investigador Ricardo Seabra Gomes, que faleceu esta segunda-feira, dia 24 de dezembro.

“Ao tomar conhecimento do falecimento do Doutor Ricardo Seabra Gomes, envio à família enlutada as minhas mais sentidas condolências”, escreveu Marcelo Rebelo de Sousa, numa nota publicada na página da Presidência na Internet.

O chefe de Estado lembra que Seabra Gomes foi um “cirurgião pioneiro” e responsável pela primeira angioplastia coronária realizada em Portugal há já mais de quarenta anos.

“O Doutor Ricardo Seabra Gomes foi um nome proeminente da medicina portuguesa do nosso tempo”, salienta Marcelo Rebelo de Sousa, acrescentando que o médico foi admirado e respeitado pelos seus pares e pelo país, “devido à profundidade do seu saber como investigador e médico cardiologista, e às suas qualidades humanas”.

“Testemunho o meu profundo pesar à família do Doutor Rui Seabra Gomes e, bem assim, a toda classe médica e demais profissionais de saúde de Portugal”, frisou o PR.

Ricardo Seabra Gomes foi diretor do Departamento de Cardiologia do Hospital de Santa Cruz, presidente da Sociedade Portuguesa de Cardiologia e coordenador nacional para as Doenças Cardiovasculares.

O especialista foi também coordenador nacional para as Doenças Cardiovasculares (2005-2008) e diretor do Departamento de Cardiologia do Hospital Santa Cruz (1984-2005).

Entre 1973 e 1978, foi investigador no National Heart Hospital e Cardiothoracic Institute, em Londres, e presidiu à Sociedade Portuguesa de Cardiologia entre 2001 e 2003.

Foi autor ou coautor de mais de 500 artigos científicos e teve quase 1.200 resumos publicados.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas