Ministra: Falta de anestesistas mostra que SNS tem de reter profissionais
DATA
26/12/2018 09:21:41
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Ministra: Falta de anestesistas mostra que SNS tem de reter profissionais

A ministra da Saúde, Marta Temido, considera que a falta de anestesistas na Urgência da Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, comprova a necessidade de ter um Serviço Nacional de Saúde (SNS) com profissionais em dedicação exclusiva.

"[A anestesia] é, de facto, uma área onde o Serviço Nacional de Saúde tem sofrido uma perda de profissionais que optam por trabalhar noutros setores. É importante que nós percebamos como é que conseguimos captar, reter, voluntariamente, estes profissionais e é um trabalho que vamos continuar a desenvolver", afirmou Marta Temido aos jornalistas, à margem de uma visita ao Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

Segunda a ministra, este problema comprova aquilo que o Governo tem vindo a defender: a necessidade de se ter "cada vez mais um SNS com profissionais que estão nele em dedicação exclusiva".

Marta Temido garante que o conselho de administração do Centro Hospitalar de Lisboa Central tem feito um esforço "no sentido de maximizar os anestesistas" do próprio mapa daquela estrutura, mas esse esforço não impediu que nestes dias em concreto "houvesse apenas a possibilidade de recrutar um prestador de serviços".

A ministra da Saúde assegurou, ainda, que o conselho de administração pagaria os 500 euros à hora pedidos para a prestação de serviços de anestesia, "mas sucede que não foi possível recrutar um segundo elemento" para a MAC.

Apesar da falta de anestesistas na MAC, a ministra salientou que, graças à rede do SNS, é garantido "o atendimento necessário nesta área", frisando que, na região de Lisboa e Vale do Tejo, está tudo a funcionar "dentro da normalidade”.

Na visita ao CHUC, Marta Temido aproveitou o momento para deixar uma palavra de agradecimento aos profissionais do SNS que asseguram o seu funcionamento durante a quadra natalícia - uma tradição "que caiu um pouco em desuso", mas que considera valer a pena retomar.

Note-se que, nos dias 24 e 25 de dezembro, a Urgência da MAC esteve a funcionar com apenas com um anestesista de serviço. Os casos urgentes ficaram naquela unidade de saúde, os restantes foram reencaminhados para outros hospitais.

 

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas