Jornal Médico Grande Público

Enfermeiros do IPO de Lisboa em greve pela progressão na carreira
DATA
08/01/2019 11:22:30
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Enfermeiros do IPO de Lisboa em greve pela progressão na carreira

Os enfermeiros do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa iniciaram, esta manhã, uma greve para exigir o descongelamento das progressões com “a contagem dos pontos justamente devidos”, independentemente do tipo de contrato de trabalho.

A paralisação termina hoje à meia-noite, abrangendo os turnos da manhã e da tarde, segundo o pré-aviso de greve, publicado na página do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP).

Para as 11:00 de hoje, está marcada uma concentração em frente ao IPO de Lisboa, adianta o SEP.

Os profissionais reivindicam a “justa contabilização de pontos para todos os enfermeiros, independentemente do vínculo, para efeitos do descongelamento das progressões”.

“No âmbito do descongelamento das progressões das carreiras da administração pública, o IPO Lisboa e o Governo continuam a discriminar negativamente os enfermeiros”, afirma em comunicado a Direção Regional de Lisboa do SEP.

O sindicato adianta que “o IPO Lisboa, ao invés de outras instituições, resolveu excluir da atribuição dos pontos os enfermeiros detentores de um CIT [Contrato Individual de Trabalho] e excluir muitos enfermeiros com contrato de trabalho em funções públicas da justa e correta contagem dos pontos para efeitos do descongelamento das progressões”.

Os enfermeiros exigem o descongelamento das progressões com a contagem dos pontos justamente devidos, independentemente do tipo de contrato de trabalho, designadamente: 1,5 pontos de 2004 a 2014, a não consideração do reposicionamento nos 1.201 euros para início da contagem e a aplicação de pontos aos Contratos Individuais de Trabalho (CIT).

Note-se que a greve foi decidida em plenário no passado dia 12 de dezembro, após a entrega de um abaixo-assinado com 320 assinaturas exigindo, junto do conselho de administração, a justa contagem dos pontos para efeitos de progressão. De salientar que estão assegurados os serviços mínimos.

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas