Plataforma para financiar greve dos enfermeiros atingiu meta de 400 mil euros
DATA
14/01/2019 10:34:01
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Plataforma para financiar greve dos enfermeiros atingiu meta de 400 mil euros

A recolha de fundos através de uma plataforma online com vista ao financiamento da greve cirúrgica dos enfermeiros, com início previsto para esta segunda-feira, ultrapassou os 400 mil euros, a meta pretendida.

A plataforma, lançada por um movimento de enfermeiros, pretende ajudar a financiar os colegas durante a paralisação. Já na greve anterior, que decorreu entre 22 de novembro e 31 de dezembro, a recolha de fundos atingiu os 360 mil euros.

Para a nova paralisação a recolha decorre até hoje, tendo ultrapassado na passada sexta-feira a meta pretendida de 400 mil euros.

O financiamento colaborativo, ou crowdfunding, é o tipo de financiamento de entidades, nomeadamente pessoas coletivas (nas quais se incluem os sindicatos), das suas atividades e projetos, através do seu registo em plataformas eletrónicas acessíveis na Internet, com o objetivo de angariar investimento proveniente de investidores individuais.

O crowdfunding é regulado pelo Regime Jurídico do Financiamento Colaborativo, previsto na Lei 102/2015, de 24 de agosto, com as alterações introduzidas pela Lei nº 3/2018, de 09 de fevereiro.

Existem várias modalidades de financiamento colaborativo: donativo, recompensa, capital e empréstimo, sendo que os enfermeiros recorreram ao financiamento colaborativo através de donativo, sem entrega de contrapartida pecuniária.

Recorde-se que nova greve cirúrgica, que decorre entre hoje e 28 de fevereiro, poderá afetar blocos cirúrgicos de sete centros hospitalares: os dois centros do Porto, Braga, Vila Nova de Gaia/Espinho, Entre Douro e Vouga, Tondela/Viseu e Garcia de Orta.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas