Benefícios da ADSE não sofreram alterações com nova legislação
DATA
15/01/2019 10:29:52
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Benefícios da ADSE não sofreram alterações com nova legislação

Os ministérios da Saúde e das Finanças esclareceram que a nova legislação, que entrou em vigor no dia 1 de janeiro, não traz qualquer alteração aos benefícios da ADSE face ao observado nos últimos anos.

Em comunicado enviado à imprensa, os dois ministérios frisam que o diploma em causa vem “apenas expressar o que já era habitualmente publicado em Leis de Orçamento do Estado, passando agora a estar previsto em legislação própria, que clarifica as responsabilidades do SNS e da ADSE”.

Na mesma nota, os órgãos do Governo esclarecem que o diploma em causa “mantém as regras, ou seja, são suportados pelo SNS os medicamentos prescritos ou dispensados a beneficiários de subsistemas públicos como a ADSE, SAD e ADM no âmbito da rede nacional de prestação de cuidados de saúde (que engloba os estabelecimentos do SNS e por ele convencionados), o que já acontece desde 2010”.

A tutela esclarece, ainda, que “previne apenas situações em que uma entidade é convencionada do SNS é, em simultâneo, convencionada da ADSE, altura em que a responsabilidade financeira pela comparticipação dos medicamentos e dispositivos médicos é desta última”.

Os ministérios da Saúde e das Finança lembram que desde 2013 que a ADSE deixou de comparticipar medicamentos e dispositivos médicos dispensados em farmácia de rua “sendo também da responsabilidade do SNS”, situação que se mantém com a nova legislação.

A ADSE “continua a comparticipar os medicamentos dispensados em ambiente hospitalar privado em caso de procedimento cirúrgico, internamento médico-cirúrgico, tratamento oncológico ou atendimento médico permanente” é ainda referido.

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas