Jornal Médico Grande Público

Governo: Despesa efetiva do SNS aumenta 12% ao longo da legislatura
DATA
17/01/2019 10:41:08
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Governo: Despesa efetiva do SNS aumenta 12% ao longo da legislatura

A despesa efetiva do Serviço Nacional de Saúde (SNS), de acordo com a informação da conta financeira, deverá atingir em 2018, pela primeira vez desde 2010, um valor de cerca de 10.000 milhões de euros (ME). Este montante constitui um crescimento de 5% face a 2017 e de 12% face a 2015, num aumento superior a 1.000 ME.

De acordo com uma nota dos ministérios da Saúde e das Finanças, a análise das transferências em 2018 mostra, para além do aumento da despesa efetiva já referido, os 1.400 ME que o Governo canalizou para pagamentos em atraso no SNS e que estão registados no indicador de fluxo financeiro.

A redução da dívida a fornecedores foi um dos mais relevantes desenvolvimentos em 2018, sendo que o valor ficará abaixo de 500 ME, uma diminuição próxima de 50% face ao valor registado no final de 2017.

O reforço da despesa no SNS tem sido a principal aposto do Estado, que se reflete no nível de despesa em toda a Administração Centra (AC). Entre 2015 e 2018, a despesa corrente primária da AC aumentou 1.745 ME, tendo a despesa do SNS representado 1.042 ME daquele valor.

“O aumento de despesa com Saúde explica, assim, 60% do aumento total de despesa da AC, quando o peso da despesa no SNS na despesa primária total da AC é de 24%”, explicam os dois órgãos do Governo.

O Governo dá, ainda, conta do aumento da despesa com recursos humanos, registando um crescimento de 597 ME, mais 17% do que em 2015.

“O aumento, entre novembro de 2015 e novembro de 2018, de cerca de 9.000 profissionais das diferentes áreas, entre os quais 4.100 enfermeiros, é apenas um exemplo claro deste esforço”, lê-se na nota.

Note-se que a despesa em aquisição de bens e serviços aumentou em 413 ME, mais 8%, no mesmo período. Trata-se, segundo o Governo, “de uma evolução clara do aumento da despesa em medicamentos, meios de diagnóstico, e outros”.

“O reforço em recursos humanos, bem como o investimento em equipamentos e tecnologias de saúde, constituem um compromisso sério no sentido de aumentar e melhorar o acesso e a qualidade na prestação de cuidados no SNS”, conclui a nota de imprensa.

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas