Márcia Roque é a nova presidente da ACSS
DATA
17/01/2019 17:53:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

Márcia Roque é a nova presidente do conselho diretivo da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), substituindo José Carlos Caiado.

Licenciada em Economia, Márcia Roque assumia desde 2017 o cargo de vogal executiva do Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca, tendo anteriormente assumido funções enquanto administradora nos Centros Hospitalares Lisboa Norte e Médio Tejo e na Administração Regional da Saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

Já para a presidência do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde de Matosinhos foi nomeado António Taveira Gomes. O especialista em Cirurgia Geral assumia desde 2016 a direção clínica desta unidade hospitalar.

Estão, ainda, em curso as nomeações de 15 conselhos de administração de estabelecimentos hospitalares, que cessaram o mandato a 31 de dezembro de 2018.

De acordo com o regime legal, os conselhos de administração devem permanecer no exercício de funções até à designação dos novos titulares, com exceção dos casos de renúncia ao cargo, que produz efeitos no final do mês seguinte ao da sua apresentação.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.