SRCOM denuncia falhas informáticas no SNS
DATA
18/01/2019 17:32:54
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



SRCOM denuncia falhas informáticas no SNS

Falhas frequentes nas aplicações informáticas do Serviço Nacional de Saúde, sobretudo no programa SClínico, estão a prejudicar a atividade clínica e o atendimento dos doentes, denuncia a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM).

A denúncia assenta num inquérito sobre “funcionalidade e operacionalidade” das aplicações informáticas do SNS, promovido pela SRCOM, na sequência de “inúmeras queixas e reclamações”.

"Dos médicos que responderam ao inquérito [mais de 500], 79,2% afirma que o programa SClínico não é rápido, 42,5% diz que não é fácil e 62,6% dos inquiridos conclui que não facilita o trabalho em ambiente de consulta", refere a SRCOM em comunicado.

Mais de 82% dos médicos consideram que este programa informático provoca novos problemas que interferem na atividade clínica. Já 84,9% afirmam que o programa apresenta erros e bloqueios frequentes.

Relativamente ao serviço de apoio informático – ServiceDesk – 74,4% dos inquiridos classificaram-no como “ineficaz”.

Segundo o presidente da SRCOM, Carlos Cortes, “os responsáveis dos Serviços Partilhados do Ministérios da Saúde (SPMS) desconhecem a dimensão e a gravidade do problema porque não se deslocam às unidades do Serviço Nacional de Saúde”.

“Há doentes que voltam repetidamente ao seu centro de saúde, apenas e só, devido aos problemas dos constantes bloqueios do sistema informático”, garante o responsável.

O médico deixou, ainda, um apelo aos SPMS: “Antes de se avançar com novos sistemas, é necessário resolver estes bloqueios desesperantes”.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas