OM pede justificação à DGS sobre aumento da mortalidade infantil
DATA
21/01/2019 14:53:27
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



OM pede justificação à DGS sobre aumento da mortalidade infantil

A Ordem dos Médicos (OM) pediu um “apuramento rápido” das causas do “aumento da mortalidade infantil”, na sequência da divulgação dos dados provisórios da Direção-Geral da Saúde (DGS) que dão conta de um aumento de 26% em 2018.

De acordo com os dados provisórios da DGS, a taxa de mortalidade infantil foi em 2018 de 3,28 mortes por cada mil nados-vivos, enquanto em 2018 tinha sido de 2,69 e em 2016 de 3,24.

Ao tomar conhecimento destes dados, a OM pediu à DGS para retirar as conclusões finais sobre as causa de cada morte. O bastonário dos médicos, Miguel Guimarães, considera os dados preliminares “preocupantes”.

“A mortalidade infantil é um dos indicadores com evolução mais positiva no nosso país, motivo de referência a nível internacional. Sabemos que o aumento da idade média da maternidade e o maior recurso a tratamentos de fertilidade podem ter algum impacto negativo na mortalidade infantil. Ainda assim, este aumento merece uma rápida análise por parte do Ministério da Saúde para evitar um clima de desconfiança dos utentes em relação ao sistema de saúde”, lê-se na nota da OM.

Já a DGS, na nota hoje publicado no seu site oficial, considera que “o número de mortes infantis em 2018 (dados provisórios) não se reflete de forma relevante na taxa de mortalidade infantil, uma vez que também se verificaram mais nados-vivos”.

No mesmo texto, a DGS destaca que o valor da taxa de mortalidade infantil em 2018 foi “similar ao verificado em 2016”.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas