Jornal Médico Grande Público

SNS mantém aposta nos recursos humanos e na inovação terapêutica
DATA
28/01/2019 10:43:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



SNS mantém aposta nos recursos humanos e na inovação terapêutica

Em 2018, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) teve uma evolução na despesa significativa, embora não excessiva, face ao passado recente, evidenciando progressos muito evidentes de internalização na prestação de serviços.

Em 2018, a conta consolidada do SNS evidencia um reforço da despesa efetiva que ultrapassa os 10.000 milhões de euros, crescendo 4.9% em relação ao ano anterior. Para este valor contribuíram, sobretudo, os crescimentos de 5,3% nos gastos com pessoal e de 5.5% nos materiais de consumo e medicamentos, superiores ao aumento dos gastos com aquisição de serviços privados.

O saldo da conta do SNS é justificado pela opção orçamental de não considerar 1.000 milhões de euros atribuídos para pagamento de dívidas como receita efetiva do exercício, mas sim regularização de passivos. Se a opção orçamental tivesse sido outra, o saldo do exercício seria de 300 milhões de euros positivos.

As transferências do Orçamento do Estado aumentaram 1.145 milhões de euros, o que representa um aumento de 13.3%. Esta variação resultou, essencialmente, do aumento das transferências para o aumento de capital de entidades do SNS, cuja contabilização não é relevada na apresentação da conta financeira.

Estes reforços de capital estatutário em 1.000 milhões de euros, acrescidos dos reforços de financiamento no montante de 400 milhões de euros aos Hospitais EPE, permitiram alcançar, no final do ano de 2018, um valor de pagamentos em atraso, de 486 milhões de euros, conduzindo a uma melhoria de todos os indicadores da dívida do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Uma primeira análise sobre a legislatura, mostra, para além do aumento da despesa, um claro acréscimo nas dotações financeiras do SNS que passaram de 8.500 milhões de euros da média anual 2012–2015 da anterior legislatura, para 8.900 milhões de euros de média no período 2016 – 2018 da responsabilidade do XXI Governo. O Orçamento do Estado de 2019 confirma esta trajetória de recuperação da prioridade política à Saúde, que terá que prosseguir nos anos seguintes, para recuperar o SNS.

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas