Ministra: "violência doméstica combate-se com mais formação"
FONTE
Melanie Wasser/Unsplash
DATA
04/02/2019 17:36:28
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Ministra: "violência doméstica combate-se com mais formação"

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, defendeu hoje que só apostando na formação, especialmente na educação dos jovens para a cidadania, se conseguirá combater os crimes de violência doméstica.

Em declaração a jornalistas em Viseu, a governante disse que deve haver formação ao nível das forças de segurança, do sistema judicial e de todas os portugueses, em especial os jovens, prevenindo a violência no namoro.

Segundo Maria Manuel Leitão Marques, é no namoro que, “às vezes, começa uma situação que mais tarde se transforma em violência doméstica”.

“É uma luta em muitas frentes, mas que todos temos que travar. Um crime de violência não deixa ninguém dormir descansado”, afirmou a ministra no final da apresentação de uma casa abrigo para mulheres vítimas de violência doméstica com doença mental, que começa hoje a funcionar em Viseu.

A ministra explicou que a violência doméstica tem sido uma área de trabalho na qual o Governo está a investir, financiando vários projetos. Esta casa abrigo de Viseu, com capacidade para acolher dez mulheres, contará com 112 mil euros por ano de financiamento direto.

“É uma área em que só conseguiremos resultados cooperando: entre várias áreas do Governo, entre Governo e autarquias locais, incluindo as freguesias, e entre o Governo e a sociedade civil”, frisou.

A casa abrigo destinada a mulheres vítimas de violência doméstica com doença mental é um projeto piloto e pioneiro, a nível nacional, apoiado pela secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro.

Segundo Maria Manuel Leitão Marques, esta casa abrigo dará uma resposta nacional, não estando ainda prevista a abertura de outras do género.

“Temos que experimentar, avaliar, corrigir se necessário e depois estender”, justificou a governante.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas