Espondilite Anquilosante rouba, em média, 110 dias de trabalho por ano
DATA
15/02/2019 11:22:10
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Espondilite Anquilosante rouba, em média, 110 dias de trabalho por ano

Uma pessoa com Espondilite Anquilosante (EA) perde em média 110 dias de trabalho por ano devido a baixas, dispensas médicas ou falta de produtividade.

A informação é do estudo arEA – avaliação de Resultados em Espondilite Anquilosante, realizado pela Nova IMS, que demonstrou o elevado impacto económico da EA para os doentes, o sistema de saúde e o país. Os resultados serão apresentados e discutidos na Reitoria da Universidade Nova de Lisboa, dia 19 de fevereiro, às 09:30h.

arEA é um projeto da Nova IMS e da Novartis, em parceria com a Sociedade Portuguesa de Reumatologia, Liga Portuguesa contra as Doenças Reumáticas e Associação Nacional de Espondilite Anquilosante, teve como objetivo perceber o impacto da EA na vida dos doentes e averiguar a perceção e resposta dos cuidados primários no diagnóstico e referência atempada dos doentes para a especialidade. Os resultados vão ser apresentados na conferência Doença Crónica – Saúde, Trabalho e Sociedade, da Nova IMS, Novartis em colaboração com o Expresso.

Segundo comunicado enviado ao nosso jornal, o encontro pretende analisar e encontrar soluções para a realidade revelada pelo estudo. Assim, Manuel Villa Verde Cabral fará uma análise macro sobre o impacto da doença na sociedade e à apresentação dos resultados pelo coordenador do estudo, Pedro Simões Coelho segue-se um debate com representantes dos médicos, dos doentes, e dos gestores hospitalares. Por fim, as soluções e medidas a implementar serão debatidas por um painel constituído por Luís Miranda, presidente da Sociedade Portuguesa de Reumatologia, Miguel Guimarães, Bastonário da Ordem dos Médicos, Óscar Gaspar da Vice-Presidente da CIP; Isabel Galriça Neto do CDS-PP e Rui Cernadas, ex-Presidente da ARS Norte.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas