Prémio Pulido Valente Ciência distingue trabalho do i3S na área da bioimpressão 3D de pele
DATA
22/02/2019 12:21:56
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Prémio Pulido Valente Ciência distingue trabalho do i3S na área da bioimpressão 3D de pele

O Prémio Pulido Valente Ciência 2018 distinguiu o investigador do i3S Rúben Pereira pelo artigo “A single-component hydrogel bioink for bioprinting of bioengineered 3D constructs for dermal tissue engineering”, publicado na revista “Materials Horizons”».

O júri da Fundação Professor Francisco Pulido Valente e da Fundação para a Ciência e a Tecnologia considerou este trabalho como um dos dois melhores artigos publicados na área das Ciências Biomédicas e realizado numa instituição de I&D nacional por um(a) investigador(a) com menos de 35 anos.

O investigador explica como foi desenvolvido o trabalho: «Primeiro desenhamos à escala molecular um novo biomaterial de origem natural baseado em pectina (polímero natural); depois, este biomaterial foi combinado com fibroblastos, células da derme, e de seguida aplicado na bioimpressão 3D de hidrogéis celularizados capazes de suportar a viabilidade das células após a bioimpressão e, assim, estimular a formação de novo tecido da derme com composição similar ao tecido nativo».

Este estudo, sublinha Rúben Pereira, «demonstra o potencial de uma estratégia multidisciplinar baseada em bioimpressão 3D para o fabrico automático de substitutos da pele, que podem ser específicos para cada paciente, e com várias aplicações em  medicina regenerativa». Esta estratégia, adianta o investigador, «permite ainda o desenvolvimento de modelos 3D in vitro da pele como ferramentas fundamentais para o teste de novos produtos e terapias, bem como para melhor compreender os mecanismos que as células utilizam em resposta a uma lesão, crónica ou aguda, para promover a formação de novo tecido».

O Prémio Pulido Valente Ciência visa distinguir o melhor trabalho publicado numa área das Ciências Biomédicas (no concurso de 2018 o tema foi Engenharia Biomédica) que descreva investigação executada por um cientista com menos de 35 anos num Laboratório nacional. O montante deste prémio é de 10 mil euros e será dividido com a primeira autora do outro trabalho premiado, Joana Sacramento, publicado na revista «Diabetologia». A entrega dos prémios terá lugar a 7 de março, no Palácio das Laranjeiras, em Lisboa.

 

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.