Visita às novas valências do Hospital de Santarém e inauguração da USF Beira Tejo em Abrantes
DATA
13/03/2019 10:15:56
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Visita às novas valências do Hospital de Santarém e inauguração da USF Beira Tejo em Abrantes

O Primeiro-Ministro, António Costa, e a Ministra da Saúde, Marta Temido, visitam hoje o Serviço de Medicina Física e de Reabilitação do Hospital de Santarém, que foi remodelado para se tornar num serviço mais moderno e eficiente, além de apto a receber mais utentes e a englobar novas valências.

O investimento ascendeu a 350 mil euros.

A visita vai permitir ainda avaliar o andamento dos trabalhos no novo Bloco Operatório e do Bloco de Partos da unidade, projetos que estarão concluídos em setembro deste ano, suportados em parte por fundos comunitários, tal como o Serviço de Medicina Física e de Reabilitação.

O investimento nos novos blocos supera os 6,5 milhões de euros e vai permitir aumentar a capacidade no Bloco Central, alargar até 25% a cirurgia de ambulatório e recuperar os cerca de 1500 partos anuais que se realizavam antes da perda do Bloco diferenciado.

Durante a manhã vai ser ainda inaugurada a Unidade de Saúde Familiar Beira Tejo, localizada em Rossio ao Sul do Tejo (Abrantes), e que representou um investimento superior a 400 mil euros.

Esta USF, agora constituída num novo edifício, vem substituir a extensão de saúde que funcionava num prédio de habitação com condições deficientes. Esta unidade vai servir desde já os 1800 utentes inscritos, no entanto, estima-se que venha a abranger 11600 utentes da região sul de Abrantes.

A unidade tem quatro gabinetes médicos, dois de enfermagem e uma sala de tratamento. A USF tem na sua equipa quatro médicos de família, cinco enfermeiros e cinco secretários clínicos.

Segundo comunicado enviado ao nosso jornal, durante a visita vai ser ainda exibido um vídeo sobre o projeto de hospitalização domiciliária do Centro Hospitalar do Médio Tejo.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.