Vítor Paixão Dias toma posse como presidente da SPH
DATA
19/03/2019 11:55:57
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Vítor Paixão Dias toma posse como presidente da SPH

No próximo dia 23 de março realiza-se a sessão de tomada de posse dos novos Corpos Sociais da Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH), para o biénio de 2019-2021.

A sessão decorre pelas 11h30, na sede da SPH em Lisboa.

Vítor Paixão Dias, diretor do Serviço de Medicina Interna do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E), será o novo presidente e durante o seu mandato tem como prioridade aproximar a SPH da comunidade.

Após os últimos mandatos em que os trabalhos da SPH foram guiados pela redução do consumo de sal e a adesão à terapêutica, Vítor Paixão Dias e a sua equipa querem “chegar mais próximo da população, ajudando a que cada indivíduo tenha um papel como agente de mudança na melhoria da sua própria saúde vascular e que cada doente seja mais capaz de gerir ativamente a sua própria doença”.

Assim, o seu mandato irá arrancar com a realização do Dia Mundial da Hipertensão, a 17 de maio, este ano assinalado em Espinho com iniciativas para a população e um Simpósio Satélite da Sociedade Europeia de Hipertensão, cujo tema central é “Monoterapia vs Politerapia no risco vascular global”, dirigido a médicos com especial interesse nesta área, em Torres Vedras, no Hotel Dolce Campo Real, no dia 25 de maio.

Estão também definidos outros momentos, como o Summer School dirigido a jovens internos, em setembro, em Alcobaça. Para o ano, o Congresso de Hipertensão e Risco Cardiovascular Global, dirigido a médicos de Medicina Geral e Familiar, Internistas, Cardiologistas, Nefrologistas e de várias outras especialidades, que dedicam à Hipertensão e ao Risco Vascular uma particular atenção, regressa em fevereiro, a Vilamoura.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas