Ex-ministra defende que “desafio primordial” do SNS são os profissionais de saúde
DATA
24/04/2019 11:08:17
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Ex-ministra defende que “desafio primordial” do SNS são os profissionais de saúde

A antiga ministra da Saúde, Ana Jorge, defendeu na terça-feira que o “desafio primordial” do Serviço Nacional de Saúde (SNS) são os profissionais, apontando que a eficácia dos cuidados vai depender da resolução das questões que os afetam.

“Não vamos ter SNS se não tivermos recursos humanos, que são, de facto, o principal desafio primordial do Serviço Nacional de Saúde”, disse.

Ana Jorge, que foi ministra da Saúde nos governos socialistas liderados por José Sócrates, participou terça-feira numa sessão pública sobre o SNS, organizada pelo Bloco de Esquerda.

Na iniciativa que decorreu em Lisboa, a antiga governante defendeu que da “resolução destas questões dependerá a qualidade e a eficácia da prestação dos cuidados de saúde aos portugueses”.

Para a antiga ministra, sente-se “nos profissionais uma certa desilusão com o serviço público, sem reconhecerem esses mesmos profissionais que a sua formação e a capacidade de serem excelentes profissionais se deve às características do Serviço Nacional de Saúde”.

Ana Jorge falou ainda na exclusividade dos profissionais de saúde, referindo que “ninguém pôs em causa” esta questão aplicada ao setor privado.

“Hoje não há ninguém que trabalhe em grandes hospitais do setor privado que não tenha obviamente uma exclusividade com aquele empregador, e isso no publico não está garantido e não é bem visto”, vincou a antiga governante.

Assim, salientou, “o espírito de equipa tem de ser reconstruído com profissionais que estejam em carreiras que valorizem a competência, a produtividade, os resultados”, e “a inovação pela qualidade tem de ser uma constante”, pelo que “as práticas têm de ser recompensadas e reconhecidas”.

Ana Jorge advogou ainda que a dedicação exclusiva ao SNS é algo que “tem de voltar a ser reinventado”.

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas