Centro Hospitalar de Lisboa Central inicia projeto de hospitalização domiciliária em maio
DATA
30/04/2019 11:03:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Centro Hospitalar de Lisboa Central inicia projeto de hospitalização domiciliária em maio

A unidade de hospitalização domiciliária do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) vai iniciar a sua atividade em maio, num projeto que prevê atingir as 15 camas até ao final do ano.

“Contando com uma equipa de três médicos, quatro enfermeiros e dois assistentes operacionais, esta unidade iniciar-se-á com cinco camas domiciliárias, chegando às 15 camas até ao final do corrente ano”, refere o CHULC em comunicado.

A presidente do conselho de administração do CHULC, Rosa Valente de Matos, defendeu que o mais importante é que o doente, no conforto da sua casa, vê o processo de recuperação “acelerado pela proximidade de um ambiente familiar e mais humanizado”.

A unidade vai disponibilizar apoio médico e de enfermagem em permanência e atuar em situações de “fase aguda de uma doença ou sobre a agudização da doença crónica no domicílio dos doentes”.

“A referenciação dos doentes para hospitalização domiciliária será efetuada a partir dos serviços de Urgência Geral Polivalente ou das unidades de internamento do CHULC ou por referenciação do ACES Lisboa Central, tendo por base critérios clínicos e sociais. A admissão no internamento domiciliário estará sempre dependente do acordo do doente e da família e está integrada no processo de planeamento de cuidados que contempla a transição entre os diferentes níveis de prestação”, acrescenta o documento.

O CHULC explica que, com hospitalização domiciliária, pretende-se a reorganização dos serviços hospitalares baseada num maior envolvimento dos doentes, das suas famílias e dos profissionais de saúde.

“A redução do risco de infeções hospitalares, a promoção da autonomia dos doentes, a recuperação mais célere, bem como o aumento da satisfação dos doentes e profissionais, são objetivos que se pretendem alcançar”, acrescenta.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas