Investigadores de Coimbra desenvolvem inovador sistema de diagnóstico da Apneia do Sono
DATA
07/05/2019 15:43:58
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Investigadores de Coimbra desenvolvem inovador sistema de diagnóstico da Apneia do Sono

O projeto que se encontra em desenvolvimento através duma parceria entre o Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra e o Centro de Medicina do Sono do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), procura encontrar um biomarcador para a apneia do sono, ao mesmo tempo que é estudada a relação entre esta doença e o envelhecimento.

Segundo Cláudia Cavadas, do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC), da Universidade de Coimbra "o Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) constitui uma das perturbações do sono mais comuns, tendo como consequências uma sonolência diurna elevada, que diminui o bem-estar, e o aparecimento de doenças crónicas como diabetes, doenças cardiovasculares e demência. Estima-se que 80-90% dos casos de SAOS não tenham sido ainda diagnosticados, e, como tal, não estejam a ser devidamente acompanhados e tratados".  

Neste momento, o diagnóstico da doença é feito com recurso a um estudo cardiorrespiratório domiciliário (utilizado em mais de 95% dos casos) ou através da polissonografia, um estudo mais completo realizado em contexto hospitalar. No entanto, encontram-se “muitos doentes de fronteira, em que nem o diagnóstico clínico nem a polissonografia dão uma resposta clara, pelo que o biomarcador será “importante” para confirmar e antecipar o diagnóstico", esclarece Ana Rita Álvaro.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas