Fundação Portuguesa de Cardiologia promove aula sobre insuficiência cardíaca em universidade sénior
DATA
15/05/2019 17:15:24
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Fundação Portuguesa de Cardiologia promove aula sobre insuficiência cardíaca em universidade sénior

A Fundação Portuguesa de Cardiologia vai realizar, no dia 17 de maio, às 10h30, na Universidade Sénior de Almada (USALMA), uma sessão de esclarecimento sobre insuficiência cardíaca.

A iniciativa insere-se nas atividades de “Maio, Mês do Coração” e pretende sensibilizar os alunos para esta doença que afeta cerca de meio milhão de portugueses.

A sessão de esclarecimento será levada a cabo por Manuel Carrageta, presidente da Fundação Portuguesa de Cardiologia, e irá focar aspetos como a prevalência da doença em Portugal, os principais sintomas, diagnóstico e formas de tratamento. 

“Queremos dotar estes alunos de um conhecimento sólido acerca da doença e contribuir para que estejam mais atentos, de forma a poderem reagir atempadamente aos primeiros sinais da insuficiência cardíaca. A educação é uma das principais missões da Fundação Portuguesa de Cardiologia e estas iniciativas vão ao encontro dessa estratégia que pretende essencialmente promover estilos de vida mais saudáveis e ajudar a melhorar a qualidade de vida de todos os portugueses”, explica Manuel Carrageta.

A Fundação Portuguesa de Cardiologia dedica, este ano, a sua campanha de “Maio, Mês do Coração” à sensibilização para a insuficiência cardíaca. Esta é uma situação clínica debilitante e potencialmente fatal, na qual o coração não consegue bombear sangue suficiente para todo o corpo.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas