António Massa: “Observação presencial continua a ser uma mais-valia em Dermatologia”
DATA
22/05/2019 09:37:03
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


António Massa: “Observação presencial continua a ser uma mais-valia em Dermatologia”

Para o vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereologia (SPDV), António Massa, a Reunião da Primavera 2019 “vem na linha do que temos feito até aqui, ou seja, será essencialmente composta por simpósios de atualização, quer no que toca a diagnóstico, quer, consequentemente, no que concerne ao tratamento das patologias versadas”.

Haverá também tempo para “casos clínicos elucidativos de patologias que vão aparecendo de novo, ou cujo aspeto fazia pressupor outros diagnósticos”, adianta o dermatologista, para quem o evento da Curia “será uma possibilidade de melhorar os conhecimentos e, assim, ajudarmos os nossos doentes, que são quem mais lucra com estas atualizações que em muito nos ajudam”.

Nos simpósios, António Massa destaca as temáticas: cabelos e unhas, Dermatologia Pediátrica, a questão das doenças de transmissão sexual e a psoríase. “Serão dois dias cheios, com a presença de três oradores oriundos de Alemanha e de França e que, nas suas respetivas diferenciações, tornam este encontro muito proveitoso”, destaca o especialista.

Quanto aos desafios em Dermatologia, o médico salienta “a vantagem que é, no tempo da inteligência artificial e da Teledermatologia – quer para o doente, quer para o dermatologista –, a observação presencial”. De acordo com o vice-presidente da SPDV, “a sintonia com o doente é seguramente uma mais-valia”, pois na maior parte das patologias, como é o caso da acne, torna-se obrigatório palpar a pele do doente e fazer a sua observação completa, explica. Outro exemplo “é o caso de sinais que aparentam perigosidade, a maioria dos quais não despertava atenção aos doentes, estando subjacente uma lesão que se impunha retirar”, refere.

Em jeito de conclusão, António Massa diz: “Não será necessário enumerar as múltiplas áreas da ciência relacionadas com a pele em que os dermatologistas são os médicos melhor preparados para avaliar e tratar, ficando com a agradável sensação de sermos eficazes e, como tal, úteis à maioria dos doentes que nos procuram”. E adianta: “É óbvio que contamos sempre com o apoio de colegas da Medicina Geral e Familiar e de outras especialidades para melhor levarmos e cabo a nossa função… Diria, quase missão”.

COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
COVID e não-COVID: Investimentos para resolver novos e velhos problemas

Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência terminou e o estado de calamidade passou, mas o problema de saúde mantem-se ativo. É urgente encontrar uma visão inovadora e adotar uma nova estratégia. As unidades de saúde precisam de encontrar respostas adequadas e seguras.

Mais lidas