Número de mortalidade por doenças cardiovasculares preocupa médicos
DATA
24/05/2019 16:21:01
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Número de mortalidade por doenças cardiovasculares preocupa médicos

A 11ª edição das Jornadas da Primavera no Centro Cultural de Cascais onde, pela primeira vez, o tema versa sob uma especialidade em concreto: a cardiologia “O seu coração, a nossa preocupação”.

Até agora as Jornadas da Primavera, organizadas pelo Hospital CUF Cascais, com o apoio da Câmara de Cascais, discutiam várias disciplinas da saúde. Colocar o foco apenas numa disciplina da Saúde, é uma escolha da Organização das Jornadas da Primavera que procura refletir a grande preocupação dos médicos para com o número de mortes ocorridas na sequência de doenças cardiovasculares.

José Ramos Osório, especialista de Medicina Geral e Familiar na CUF Cascais e coordenador destas Jornadas, relembra que “o alerta não é recente, mas a verdade é que os números de mortalidade por doenças cardiovasculares continuam altos: representam aproximadamente 30% da mortalidade em Portugal e continuam a ser as principais responsáveis por mortes em todo o mundo”.

“Temos de continuar a combater esta realidade que tanto nos preocupa enquanto profissionais de saúde. É necessário reforçar a importância da prevenção de fatores de risco iminentes, como: hipertensão, tabaco, excesso de peso, sedentarismo e colesterol - todos estes estão associados às doenças cardiovasculares. É necessário valorizá-los e procurar abordagens para os evitar” aponta José Ramos Osório.

As Jornadas da Primavera têm-se revelado um importante ponto de atualização de conhecimento e de partilha de experiências, que se enquadra na importância da formação contínua dos profissionais de saúde, com vista a alcançar um nível cada vez mais elevado de cuidados a prestar à população.

Nesta edição - com participação de especialistas da CUF, dos Agrupamento de Centros de Saúde de Cascais e do Hospital de Cascais, o programa terá espaço, não só para discutir como diminuir a mortalidade por doenças cardiovasculares ; como também, para abordar os seguintes temas: a “Cardiologia em cuidados de saúde primários”; o “Estado da arte em imagiologia cardíaca”; os “Avanços na cardiologia invasiva” e a “Evolução da cirurgia cardiotorácica nos últimos 35 anos”.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.