Jornal Médico Grande Público

Fundação Portuguesa de Cardiologia promove ação de rastreios em Évora
DATA
27/05/2019 15:01:48
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Fundação Portuguesa de Cardiologia promove ação de rastreios em Évora

A Fundação Portuguesa de Cardiologia, com o apoio da Câmara Municipal de Évora, vai promover uma ação de rastreios cardiovasculares no dia 30 de maio, entre as 10h e as 17h, na Praça do Giraldo, em Évora.

A iniciativa encerra as comemorações de “Maio, Mês do Coração”, que este ano foi dedicado à sensibilização para a insuficiência cardíaca.

Os vários rastreios são gratuitos e realizados por equipas de enfermeiros e nutricionistas que, para além de fazerem as avaliações técnicas, prestam aconselhamento à população. O principal objetivo é sensibilizar para as doenças cardiovasculares e identificar possíveis fatores de risco através da medição do nível de colesterol total, avaliação da pressão arterial, cálculo do índice de massa corporal e medição do perímetro abdominal.

No mesmo dia, a Fundação Portuguesa de Cardiologia vai realizar, às 11h15, uma sessão de esclarecimento para os alunos da Escola Secundária Severim de Faria, em Évora, sobre doenças cardiovasculares e sobre suporte básico de vida.

A Fundação Portuguesa de Cardiologia dedica, este ano, a sua campanha de “Maio, Mês do Coração” à sensibilização para a insuficiência cardíaca. Esta é uma situação clínica debilitante e potencialmente fatal, na qual o coração não consegue bombear sangue suficiente para todo o corpo. O estudo “Portugueses e a Insuficiência Cardíaca”, apresentado pela FPC, revelou que apenas 15% dos doentes conseguem identificar o edema nas pernas como um dos principais sintomas da insuficiência cardíaca. O mesmo estudo mostra que 51% dos inquiridos ainda acreditam que a taxa de sobrevivência desta doença é alta ou, pelo menos, não tão baixa como em casos oncológicos.

Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas